7 de ago de 2011

A doce revolução, de Cristo para nós!

por Mateus Goethel Cesimbra




Jesus iniciou um ciclo de revolução para humanidade. Em uma época extremamente religiosa, Cristo veio mostrar que aquela lei já era mais que ultrapassada. Em tempos que os doentes eram deixados de lado, em que os pecadores eram condenados sem chance de perdão, Cristo veio e destruiu o templo da hipocrisia.

Ele era diferente do comum e do bonitinho diante da sociedade. Ele, através da revolta com o desamor humano, ensinou que todos eram iguais e que a única coisa que poderia limpar a vida, tanto de fariseus como de samaritanos, publicanos, judeus era sua Graça.

Jesus enfrentou de frente homens da lei, líderes religiosos e políticos. Jesus nos ensinou a ter coragem de combater o erro e defender o injustiçado.

O que quero dizer neste curto texto, é que precisamos nos revoltar com o erro, não podemos aceitar tudo o que estão nos oferecendo neste mundão. Se há algo errado, se há alguém sendo injustiçado, se há dor, sofrimento e desprezo, que a revolta do bem traga alívio e justiça.


"E eis que uma mulher da cidade, uma pecadora, sabendo que ele estava à mesa em casa do fariseu, levou um vaso de alabastro com ungüento;
E, estando por detrás, aos seus pés, chorando, começou a regar-lhe os pés com lágrimas, e enxugava-lhos com os cabelos da sua cabeça; e beijava-lhe os pés, e ungia-lhos com o ungüento.
Quando isto viu o fariseu que o tinha convidado, falava consigo, dizendo: Se este fora profeta, bem saberia quem e qual é a mulher que lhe tocou, pois é uma pecadora.
E respondendo, Jesus disse-lhe: Simão, uma coisa tenho a dizer-te. E ele disse: Dize-a, Mestre.
Um certo credor tinha dois devedores: um devia-lhe quinhentos dinheiros, e outro cinqüenta.
E, não tendo eles com que pagar, perdoou-lhes a ambos. Dize, pois, qual deles o amará mais?
E Simão, respondendo, disse: Tenho para mim que é aquele a quem mais perdoou. E ele lhe disse: Julgaste bem.
E, voltando-se para a mulher, disse a Simão: Vês tu esta mulher? Entrei em tua casa, e não me deste água para os pés; mas esta regou-me os pés com lágrimas, e mos enxugou com os seus cabelos.
Não me deste ósculo, mas esta, desde que entrou, não tem cessado de me beijar os pés.
Não me ungiste a cabeça com óleo, mas esta ungiu-me os pés com ungüento.
Por isso te digo que os seus muitos pecados lhe são perdoados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco é perdoado pouco ama.
E disse-lhe a ela: Os teus pecados te são perdoados.
E os que estavam à mesa começaram a dizer entre si: Quem é este, que até perdoa pecados?
E disse à mulher: A tua fé te salvou; vai-te em paz."
Lucas 7: 37-50

Este trecho que vimos acima, mostra que Jesus nos convida para uma doce revolução, a que Ele mesmo deu início, a Revolução do Amor. Somente com o verdadeiro amor e com o verdadeiro senso de justiça é que poderemos alcançar algo de bom literalmente.

Este fariseu representa as pessoas que pensam, que acham que são alguma coisa. Representa aqueles que julgam sem perdão e sem humanidade. A mulher representa aqueles que são abandonados e sujos pelo restante da sociedade, mas que precisam ser limpos. Somente a revolta de Cristo com a injustiça, que salvou aquela mulher, pode salvar o mundo de hoje.

Vemos corrupção, falta de saúde, desprezo com a educação. Vemos malandragem em todos os lados, isso fora o sangue de inocentes que correm em meio ao desamor. Fazer algo é possível, e o possível pode mudar muita coisa. Crendo na verdade e levando a verdade, a Graça de Cristo pode salvar e curar.

Cabe a nós espalhar a doce revolução!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qual a sua opinião sobre este artigo? Comente a vontade!