12 de jan de 2013

AOS RELIGIOSAMENTE ATEUS



PASSANDO E VENDO AS VOSSAS POSTAGENS...

Venho acompanhando a ação dos irmãos que foram explorados na “religião” e que hoje se tornaram “religiosamente ateus”.

Sim, passando e vendo os posts que fazem acerca de “Deus” constato que o ateísmos de vocês é extremanente religioso, posto que os cards, fotos e tirinhas que vocês postam, além dos vídeos que fazem, revelam-me o quão profundamente religiosos vocês ainda são; visto que sistematizam a Bíblia exatamente do mesmo modo que os “doutores” da “igreja” o fazem; só que vocês, agora, usando os mesmos artifícios das “sistematizações”, chegam à conclusões igualmente tolas e falaciosas, conforme eu e muitos antes de mim sempre disseram; a saber: que sistematizadamente a Bíblia pode ser a mãe de todas as loucuras e construções.

A desonestidade intelectual praticada contra vocês é a mesma com a qual vocês criam esse material de ateigelização que agora produzem, e com o mesmo fervor religioso de antes, sendo que agora contra aquilo que antes defendiam.

No centro de tudo está o ataque à Bíblia. E por quê? Ora, porque a “Bíblia Sagrada” foi empurrada goela à baixo em vocês como uma especie de materialização da verdade, e, por que não dizer: uma especie págnificação da divindidade.

Vocês, meus manos, foram treinados nas tradições mais históricas da “igreja”, e aprenderam a montar as basicalidades “doutrinárias” que um dia construiram com o proposito de “evangelizar” outros. Outros de vocês, mas não a maioria dos criadores de posteres anti-biblia e anti-deus na internet, e que tiverem raízes mais pentecostais ou neo-pentecostais e até católica, aprenderam também o mesmo tipo de argumento e processo de construçãos das “doutrinas sistematicas”, mantendo — em qualquer das origens históricas dos traumas — o mesmo fervor, ardor e beligerancia dos “defensores da verdade”, conforme um dia o foram, quando militavam “pró-igreja”.

Assim, passando e vendo os “objetos do vosso culto” [posteres, tirinhas e fotos] “em tudo ainda vos vejo demasiadamente religiosos”, posto que apesar de tudo, ainda deixaram um espaço aberto “ao Deus Desconhecido”, quando incluem em vossa comunhão os irmãos agnósticos, ou seja: os que dizem: “Aquilo ali não é Deus... Mas porque sei que aquilo não é Deus, não significa que Deus não seja Deus”.

Quando leio os argumentos acho-os engraçados; tão engraçados que frequentemente os uso a fim de ilustrar o que digo sobre o “Deus” que não é Deus.

Além disso, como o raciocício e o conhecimento por trás de tais produções, são de natureza velha, cansada, desgastada, discutida e resolvida há tanto tempo..., dá apenas a impressão de que pegaram a basicalidade dos argumentos apologéticos dos evangélicos, e os reescreveram ao contrário.

Ateísmo que se fundamenta na não-inerrabilidade da Bíblia ainda é expressão de religiosidade ressentida. Ou quando se mostra as incoerencias entre o V.T. e o N., não se está fazendo declarações atéias, mas apenas expressando a raiva de quem um dia defendeu um pacotão e hoje vê que ele era indefensável no seu todo; posto que de fato Jesus não combine mesmo com muito do que o V.T. ordenou “em nome de Deus”.

Sim, é verdade. Mas e daí? Não é isto que se diz que Jesus veio acabar? Não é isso relativo ao fato que antes de Jesus dizer “Eu e o Pai somos Um” o que se enxergava era como o vulto de algo num bronze opaco? E não é isto concernente ao fato de que a revelação nunca antes foi totalmente isenta da presença mesquinha e limitada de cada tempo e geração? E, portanto, tal disparidade em tantas coisas não mostrar apenas o quão impossível é para o homem de fato saber como Deus é? Sim, não mostram tais contradições o quão alienígena o Evangelho de Jesus é em relação a tudo e todos?

Ou quando vêm com a cansada e desgastada história de Jesus ser uma amálgama dos mitos egípcios, sumérios, romanos, hindianos e bárbaros — ignorando que tais temas também se tornaram obsoletos, especialmente quando se passa a ver Jesus como Chave Hermenêutica para a compreensão da Bíblia, da História, dos Mitos, das Lendas e da Existencia como um todo?

Sim, quando se olha tudo apenas através de Jesus [...] não existe nada disso. O que foi um dia [...] já não o é depois de Jesus.

A crise que vocês manifestam, meus irmãos, também expressa o fato que a experiência de vocês foi de natureza doutrinal [mais acentuada nos de origem eclesiástica histórica] e ou também de natureza fortemente emocional e psicológica, com forte componente de esperança messiânica relacionada à religião [mais fortemente nos de origem pentecostal ou crenças derivada].

Na realidade somente o Ocidente do planeta, o lado judaico-cristão do mundo, expressa esta forma de ateísmo, mostrando que ao invés de ser uma discussão filosoficamente real, é apenas um dado de natureza psico-social.

Os ateus do Ocidente [digo: os filosoficamente sofisticados, já há muito falecidos...] também apenas expressaram o trauma deles com a religião indefensável. Mas por quê? Ora, sendo muitos filhos de pastores ou nascidos no Protestantismo ou Catolicismo fanatizados, não suportando aquilo, e associando “Deus” à religião, caíram na mesma esparrela de construir um ateísmo religioso. Fanáticos eram e não sabiam!

O verdadeiro ateísmo foi muito pouco praticado no mundo. Exceto, é claro, pelos mais profundos ateus que a História já produziu: os que em nome de Deus abusaram dos humanos em razão de que nunca creram em Deus.

Entretanto, do ponto de vista do que seja uma visão profunda do ateísmo, as conseqüências de assim se crer com honestidade, inapelavelmente conduz ao suicídio.

Sim, pois sem Deus tem-se que fazer um salto de fé-não-fé a fim de se poder emprestar algum significado aos vínculos e sentimentos humanos mais básicos. Sim, todas as coisas que nos dão significado, morrem sem sentido num universo descriado e aberrativo.

Eu, de minha parte, já provei a mim mesmo, quando me deparei com não-Deus na existência, que apenas o suicídio me seria um passo coerente ante aquela hipótese.

Sei que se eu fosse ateu, como nunca brinquei de nada na existência, o passo final e natural de minha mais absoluta dês-significação seria a minha própria e escolhida morte.

Digo isto desde que aos 18 anos, quando numa angustia de não-Deus na minha vida, busquei ardentemente a morte.

O que os amigos ateus ex-evangélicos estão provando é raiva, muita raiva. E mais: por total falta de conhecimento existencial e experiencial de Deus na vida, caindo seus altares de “deus/igreja/bíblia”, sobrou apenas o que, em sobrando, não realiza nada em um coração honesto.

Mas ateus?! Não, manos, vocês não o são, pois se o fossem não escreveriam tirinhas, etc..., mas sim epitáfios!

Apenas saibam que com todo o carinho eu digo que vocês são apenas “Trauma-deus-tizados”.

Todavia, não será o que aqui lhes disse o que mudará nada em vocês!

Vejo-os muito mais como “Saulos resfolegantes” e apaixonados do que como ateus gelados!

Ateus ignoram, não discutem!

Ora, como sempre fui ateu desse “Deus” ora em questão, também não discuto... Apenas expresso minha solidariedade e peço ao Pai das Luzes que se revele a cada um — sem religiões e sem homens no processo!

Com todo carinho,


Nele, que sabe qual é a abismal diferença entre as coisas,

Caio
7 de janeiro de 2013


Mais artigos em www.caiofabio.net



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qual a sua opinião sobre este artigo? Comente a vontade!