11 de abr de 2010

Amor, vivemos ou fingimos?



O que podemos falar sobre o verdadeiro amor? Será que amamos verdadeiramente a todos?

Mais uma vez vou escrever sobre esse assunto, pois me incomoda muito ver o desamor entre aqueles que pregam, mas não agem, e não me refiro somente a pastores, pois nós que também recebemos a ordem do Ide não sabemos amar de verdade. Ou será que amamos somente a nossa conveniência?

Vejo nas igrejas pessoas que são verdadeiros "papa bênçãos"... Se tem campanha de vitória eu vou... Obra social, quem sabe, se der tempo talvez eu vá! É essa a ordem do amor? Amamos receber presentes, mas nem sempre sabemos presentear, e não falo em presentear a esposa, um amigo ou um parente, digo presentear aqueles que muitas vezes só recebem desprezo e humilhações.

Os crentes amam estar entre eles ou ao menos aparentam, além de demonstrar o quanto são santos em sua infinita "pomposidade"... Os convertidos amam acolher aqueles que ninguém quer. A igreja nem sempre sabe amar o homossexual que precisa de libertação e salvação, por exemplo. Bem como olha torto para as prostituas, sendo que Cristo acolheu, libertou e salvou as mesmas. Será que quando Jesus andava em suas peregrinações Ele impedia os homossexuais e prostitutas de lhe ouvirem?

Porém quando um político, mesmo com sérios desvios de conduta entra em uma Igreja (nem todas ainda), ergue - se uma recepção impetuosa, onde quase o levam no colo para cima do Altar (lugar que até onde eu sei é santo) e ama - se muito aquela "alma" (claro que políticos com desvios de conduta também precisam ser salvos), mas qual a diferença entre esse político e um "Zé Ninguém" que ninguém sabe de sua existência? O Zé, ninguém conhece, ninguém percebe, e talvez ele não te ofereça nada, mas ele quer JESUS, e JESUS também o quer. Jesus também quer salvar o político esse, mas o tal político tem "nome", poder e influencia na sociedade... "Não podemos desperdiçar essa oportunidade" pensam alguns.

O amor verdadeiro e puro não olha cara, mas vê o coração, esse amor quer salvar e não condenar ou apontar. Quem ama perdoa, quem ama não arde em ciúmes e nem se envaidece.

O verdadeiro amor vai ao encontro do que esta doente, na miséria, no pecado, vai ao encontro daquele que ninguém quer. O amor que vem de Cristo não quer receber recompensa, pois a recompensa é justamente o efeito desse amor... SALVAÇÃO!

Como postei essa semana, que possamos diminuir... Diminuir nosso ser carnal, deixar de alimentar o nosso ego até ficar "balofo", pensar que a maior riqueza é um sorriso no rosto daquele que não sabia de onde viria o seu socorro, mas Deus te enviou. Esse é o amor, não é apegado naquilo que o dinheiro compra, não é apegado em posições ou cargos, porventura apegado em DEUS.

Então reflita nisso... AMOR, VOCÊ VIVE OU FINGE?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qual a sua opinião sobre este artigo? Comente a vontade!