27 de jul de 2016

Vamos pensar sobre política?







Algumas coisas despertam o que há de mais intolerante dentro das pessoas. Política e religião, são por exemplo, assuntos que conturbam o ambiente das redes sociais, principalmente quando um está ligado ao outro, pois afinal de contas, políticos e religiosos se amam desde a era de Constantino. O casamento já aconteceu e dura séculos.

No entanto, hoje me aventurarei ao falar somente da politica. O fato é que somos seres políticos, independente da situação em que o nosso país se encontre ou se você pensa que não gosta dela. A política está e necessita estar na sociedade, o que não significa partidarismo, pois uma coisa não é necessariamente ligada a outra. Vemos a ação politica nas associações de bairro, nos conselhos escolares, nos movimentos estudantis, nas empresas e assim por diante. A politica está até na fila do banco.

Por mais que você seja relutante quanto aos assuntos ligados a política, até o seu cafezinho depende dela. Penso que o fato de não nos darmos conta da importância da política no nosso cotidiano é o que tem dado espaço para a reprodução dos maus políticos. Votamos em qualquer um, não cobramos, não estudamos a vida do candidato e, ainda por cima, nos contentamos com migalhas eleitoreiras. Politica não é só na hora da urna. 

Por outro lado, é preciso estar de olhos abertos, pois além do mais, muitos políticos, que não fazem politica, literalmente "cagam" para nós, colocando pessoas contra pessoas ao seu favor. Conseguem desconfigurar o diálogo das ideias e transformam eleitores em soldados prontos para matar ou morrer em nome dos seus interesses. Cuidado com isso. Fazer parte da politica não significa que suas ideias e a dos seus candidatos sejam as únicas a estarem corretas e que todas as outras necessitem se render a elas. Apesar de deficiente, vivemos em uma democracia, o que significa dialogar. Infelizmente, a intolerância ideológica e partidária cega muitas pessoas. 

Esse ano de 2016, com certeza entrará para as páginas da história: protestos, manobras, sujeira, golpe, impeachment, lava jato... Os motivos são muitos, no entanto, quais lições podemos tirar disso tudo? 

Em tempos onde surgem figuras como Bolsonaro, Feliciano e outros, em que milhares de pessoas saíram às ruas para pedir a volta da ditadura, onde no mínimo 80% do congresso é imundo, em que o vice decorativo se torna protagonista e a crise não larga do nosso pé, no mínimo precisamos passar a pensar sobre politica. Daqui a pouco estaremos votando para prefeito e vereador, talvez essa seja a hora de nos importarmos um pouco mais com essa pauta.

Se informe, leia, pesquise... Não fique somente a mercê dos comentários "facebooqueanos". Não se deixe enrolar. Não se venda. Não crie inimizades por aquilo que deveria ser o norte do bem comum. Dialogue, fale e ouça. Isso é politica!


Mateus.


****



Um comentário:

  1. Existe verdades e verdades, mentiras e mentiras. As facetas são muitas. A politica já vem de berço, quer queira, quer não queira. A realidade é muitas vezes para uns e outros não. Realmente há vários tipos de ações no que é a politica, exemplo: nas associações de bairro, nos conselhos escolares, nos movimentos sociais e estudantis, nas empresas e assim por diante. A politica está até na fila do banco e também dentro de nossa família. Hoje para falar de política os assuntos são imensos, mas, o importante é ver que pautas estão sendo chamadas e por quem! Pois algumas pautas são de objetivo para aquele seguimento, o qual pode haver interesse social, partidário ou a partidário. A discussão será prazeirosamente se for de construção construtiva a bem da sociedade e não de grupo ganancioso. A transparência só será verdadeira quando houver a liberdade de construir políticas sociais a bem da sociedade e aproveitamento em todas as instâncias da nação. A inimizade é constituída quando não se é favorável aquele grupo ou determinado grupo. Pois quando começa-se a avançar e progredir não vai faltar quem queira direcionar para um determinado partido ou partidos. A crítica é sempre construtiva, mas há quem a leve para outros caminhos! O importante é participar para o engrandecimento local, municipal, estadual e nacional. Saber informar, ter experiência, enfim existem trocentos caminhos, depende de cada um qual quer seguir! Parabéns pela atitude e empoderamento desta construção a qual espero que pontapé inicial para a construção de políticas: comunitárias, sociais e públicas, sejam em prol de uma sociedade mais justa e igualitária. Um grande abraço. José Álvaro Barreto Pereira.

    ResponderExcluir

Qual a sua opinião sobre este artigo? Comente a vontade!